Postagem em destaque

Como iniciar a sua carreira de Segurança da Informação?

Planejamento para se tornar um Analista de Segurança da Informação. Monte o Seu. Após um pouco de pesquisa sobre o tema e conversad...

Hackers iranianos atacam aeroportos e infraestrutura crítica em 16 países

Mais de 50 organizações teriam sido atacadas ao longo dos últimos dois anos. Dez desses alvos são baseados nos Estados Unidos

Ao longo dos últimos dois anos, um grupo hacker Iraniano teria comprometido computadores e infraestrutura de redes de 50 organizações espalhadas por 16 países. A lista de atacados contempla companhias aéreas, empresas de segurança e defesa, universidades, instalações militares, hospitais, aeroportos, empresas de telecomunicações, agências de governo e provedores de serviço de energia. 

Os ataques estão sendo chamados de Operation Cleaver e são creditados a um grupo de cibercriminosos a partir de Teerã. Os hackers utilizaram ferramentas públicas de ataque e exploração, além de programas específicos de malware criados por eles mesmos. Estima-se que pelo menos 20 cibercriminosos estejam envolvidos nas ações. 

“Descobrimos mais de 50 vítimas, com base em nossas investigações, distribuídas ao redor do mundo”, delimitou a empresa de segurança Cylane, em um relatório extenso divulgado na terça-feira (02/12). “Dez desses alvos são baseados nos Estados Unidos e incluem uma grande companhia aérea, uma faculdade de medicina, concessionárias de energia, uma montadora de automóveis e uma instalação militar”, detalha. 


Outras organizações atacadas foram identificadas no Canadá, China, Inglaterra, França, Alemanha, Índia, Israel, Kuwait, México, Paquistão, Qatar, Arábia Saudita, Coréia do Sul, Turquia e Emirados Árabes Unidos. 


A Cylance acredita que os ataques foram patrocinados pelo Irã, devido a complexidade da infraestrutura disponível e utilizada. O grupo de hackers iraniano foi apelidado do Tarh Andishan – algo que no inglês significa algo como “pensadores” ou “inovadores”

Não há, até o momento, evidências de que os hackers tenham conseguido sabotar alguma rede. Contudo, esse pode ser uma consequência e eventual retaliação por conta de ameaças contra o Stuxnet, Duqu e Flame, malwares que atacaram o país. 

“Talvez a informações ‘de gelar os ossos’ foram colegadas em campanhas de ataque segmentado a redes de transporte e sistemas de companhias aéreas e aeroportos na Coréia do Sul, Arábia Saudita e Paquistão”, indicam pesquisadores da Cylane. “O nível de acesso parecia onipresente: domínios de Active Directory foram totalmente comprometidos, bem como switches Cisco, roteadores e toda infraestrutura interna de rede”, acrescentou. 

De acordo com a empresa, os hackers conseguiram acesso completo a portões de aeroporto e sistemas de controle de segurança, que “potencialmente permitam falsificar credenciais em portões de embarque”. 

Os hackers do Tarh Andishan atacam a partir da injeção de SQLs comuns, phishing e ataques repetidos a brechas de segurança para ter acesso a um ou mais computadores de uma organização determinada. Depois dessa entrada inicial, abrem uma caixa de ferramentas para comprometer sistemas adicionais e aprofundarem-se na rede. O trojan “chave” do grupo se chama TinyZBot. 

Fonte: IDGNOW