Postagem em destaque

Como iniciar a sua carreira de Segurança da Informação?

Planejamento para se tornar um Analista de Segurança da Informação. Monte o Seu. Após um pouco de pesquisa sobre o tema e conversad...

Site da empresa de segurança Site Blindado é invadido por crackers

Invasores postaram mensagem na página e acusaram a empresa de "enganar os clientes", já que não é capaz de garantir a própria segurança

O site da empresa Site Blindado, que fornece um "selo de segurança", foi invadido na madrugada de sábado (27). De acordo com informações do Linha Defensiva, crackers identificados apenas por "jbz" e "phobz" deixaram uma mensagem acusando a empresa de "enganar os clientes". Uma cópia da invasão está disponível no zone-h.

Os invasores disseram ser "hackers do bem" no texto. "Não temos o minimo interesse em vandalizar na internet, como outros grupos de crianças, vem fazendo", disseram.

Eles disseram que não queriam prejudicar a empresa. "Tentamos contactar o administrador deste portal de todas maneiras, sobre as falhas, e que eles não trabalhavam corretamente. No entanto não poderiam garantir a segurança de outros sites, pois sequer não tinham a capacidade de manter a propria empresa segura", diz o texto. "Como eles nao tomaram providencias, resolvemos da nossa maneira".

Além da "pixação" na página, os invasores trocaram o selo "Site Blindado", exibida nos clientes da empresa de segurança.

UPDATE: Em comunicado ao IDG Now!, a empresa admite o que chama de "incidente de segurança" em um dos servidores. "Identificamos que alguns de nossos selos de clientes tinham sido trocados por imagens estáticas e alteradas, não geradas pelos nossos sistemas automatizados. Neste momento, alteramos a classificação para incidente crítico de segurança e implantamos as rotinas de emergência", diz o texto, assinado pelo CEO da empresa, Gustavo Souza.

Ele afirma que a empresa está executando auditoria no servidor afetado para coletar dados e evidências do ataque, "para tomarmos todas as medidas nas esferas tecnológicas, criminal e civil".

Fonte: IDGNOW