Postagem em destaque

Como iniciar a sua carreira de Segurança da Informação?

Planejamento para se tornar um Analista de Segurança da Informação. Monte o Seu. Após um pouco de pesquisa sobre o tema e conversad...

5º dia da Semana Acadêmica de Informática no IESB-OESTE

Segue resumo da I SEMANA ACADÊMICA DE INFORMÁTICA (IESB-OESTE)

5º DIA

Palestrante: RONALD EMERSON SCHEROLT DA COSTA

O Palestrante RONALD COSTA abordou os seguintes tema:Multiterminais com Software Livre e Como configurar um Servidor Web com Linux + Apache + PHP5 e MySQL. Segue alguns trechos e complementos da apresentação.

Multiterminais com Software Livre

O que é um MULTITERMINAL?

“É DIVIDIR UM COMPUTADOR”

Multiterminais são uma tecnologia e uma idéia inovadora ao mesmo tempo. Podem em muito contribuir para um aumento da difusão de conhecimento tecnológico e também de Inclusão Digital. Os multiterminais permitem um melhor emprego do parque de computadores instalados em uma escola ou empresa e que as vezes não está sendo utilizado em todo o seu potencial. Para isso necessitamos compreender o que são multiterminais?

Para que possamos nos situar neste conceito podemos fazer uma rápida analogia com os antigos “mainframes”. Os mainframes eram computadores grandes que dividiam seu poder de processamento e possibilitavam que inúmeros usuários o utilizassem ao mesmo tempo através de terminais diretamente conectados a ele, os chamados “terminais burros”. Todo o processamento era feito de maneira centralizada. Um mainframe permitia um grande número de terminais conectados, com sessões de trabalho independentes para cada usuário.

Agora podemos desenvolver um conceito prático de multiterminais então: “Um multiterminal é um computador com uma configuração particular que permite seu uso por várias pessoas de forma simultânea e independente”.

Onde começou?

Os multi-monitores (pré históricos dos multiterminais) começaram com o objetivo de que houvesse apenas um usuário controlando múltiplas saídas.  No ínicio a intenção era utilizar várias telas em um mesmo computador (multi-monitor),  como por exemplo o XINERAMA. Algumas soluções para várias telas, daquela época eram proprietárias. Esse tipo de configuração ficou disponível no X quando Benjamin H. implementou o RAC dentro do X (Resource Access Control) por volta do ano de 1998.  Porém, antes disso, o Windows e o Mac provavelmente já suportavam múltiplos monitores, então o termo “multihead” deve ter surgido ainda antes do RAC.

Os multiterminais surgiram da possibilidade de se ter várias telas (monitores) conectadas ao mesmo tempo em um computador e da curiosidade de alguns desenvolvedores em “quem sabe” permitir que as várias sessões fossem dividas por vários usuários.

Abaixo temos uma breve linha do tempo que descreve alguns trabalhos com multiterminais:
Em 2000:

- Miguel Freitas (PUC)

Em 2003:

XFree Local Multi-User HOWTOSvetoslav Slavtchev

<users.sourcefourge.net>

Sep 2003

Em 2004:

- UFPR

Em 2005:

- Instituto Superior Fátima

Em 2006:

- UNIOESTE

Outras referência:


Segundo o Palestrante Ronald: "No Instituto Superior Fátima o início foi em março de 2005, quando um projeto da instituição previa o aumento de laboratórios e eu, enquando Gestor de TI da Instituição, fui questionado se existia alguma solução de baixo custo para a ampliação dos laboratórios.

Em busca de uma solução encontrei os multiterminais. Resolvi estudar e compreender o seu funcionamento. O resultado e as impressões sobre a solução foram muito bons, desta forma decidi divulgar o emprego desta tecnologia. A sua grande aplicação é facilitar o acesso de mais pessoas as TICs e aproveitar os recursos oferecidos pelo crescimento rápido da configuração do computadores, hoje disponíveis no mercado. Esse equipamentos possuem uma grande capacidade de processamento e memória, sendo em sua maioria, utilizados em apenas uma parte do seu potencial."

A Comunidade MULTILINUX.
Essa Comunidade tem por objetivo reunir as pessoas interessadas em trabalhar em torno desta tecnologia… Todos são bem vindos… Quem estiver interessado entre em contato: scherolt@gmail.com . Usuários e desenvolvedores de todas as distribuições GNU/LINUX são bem vindos.

Onde posso utilizar?
Locais onde é necessário um grande número de computadores, para trabalhos simples, como edição de textos, programação, navegação Web, tais como:

Laboratórios
Bibliotecas
Telecentros
Escolas
Bureau de serviços
Cyber-Café
Pequenas e médias empresas
Serviços de digitação e acesso a internet…
Como funcionam?
Os multiterminais tem o funcionamento semelhante aos mainframes, onde teremos vários monitores, placas de vídeo, teclados e mouses, conectados a um mesmo computador, compartilhando seu processamento e permitindo que vários usuário utilizem sessões de trabalho independentes. As ligações são físicas, e não são realizadas através de rede de comunicação como é o caso do LTSP (Linux Terminal Server Project). Em multiterminais, as ligações ocorrem pela placa de vídeo, pelos mouses e teclados de maneira local, enquanto em um LTSP através da rede e das placas de rede, com o uso de um servidor central.

Para tornar possível o uso de multiterminais exploramos a característica multi-usuário do Linux.

O sistema empregado é um multiterminal usado Xephyr: O Xephyr é um servidor gráfico que utiliza outro servidor X (Xorg) para a exibição das imagens. O Xephyr funciona como cliente do Xorg, mas é também servidor para outros aplicativos, que o enxergam como um servidor X normal.

O que é preciso?

A configuração envolve um computador, os teclados e os mouses USB, as placas de vídeo e os monitores. No caso do seu computador possuir poucas saídas USB é possível utilizar um HUB USB para aumentar a quantidade de portas USB. Não existe uma configuração ideal, mas sim bom senso. Não dá para se pensar em um multiterminal com cinco monitores em um K6-2 de 500Mhz. Mas um com dois monitores sim, desde que o equipamento possua memória RAM suficiente, para duas instâncias do ambiente gráfico, que neste caso pode ser o XFCE4.

Nos testes que realizei usei um SEMPROM 2.2GHz, com 512 Mb e usei 5 monitores, sem maiores dificuldades. Claro que usar placas de vídeo iguais ajudam, mas não é algo obrigatório. É possível utilizar quatro placas de vídeo diferentes. Uma pode ser AGP e as outras 3 PCI. As placas de vídeo ONBOARD também podem ser usadas, mas é necessário compreender que quando se usa uma ONBOARD e outra AGP, apenas uma delas irá funcionar. Neste caso AGP e ONBOARD são exclusivas. Elas não trabalham juntas. Quem possui NOTEBOOK, ou placas de vídeo com saída DVI, também podem montar multiterminais. Nas placas de Vídeo DVI é possível usar um adaptador e ligar outro monitor na saída DVI.

Quais as Vantagens?

Menor custo em equipamentos (1 CPU para até 6 Monitores, dependendo da placa mãe e quantidade de slots PCI, do processador empregado e da quantidade de memória);

Menor número de pontos de rede (menos fios de rede, menos tomadas, menor tamanho do ativo de rede necessário para o laboratório);

Menor número de pontos de energia (menor consumo, menor quantidade de tomadas, menor número de estabilizadores)

Facilidade de manutenção (menor quantidade de computadores, emprego de equipamentos reserva para substituição)

Facilidade de instalação de software (instalar e manter menos computadores)

Excelente desempenho (A relação custo X benefício é excelente !!!)

Apropriação de tecnologia (crescimento técnico, possibilidade de projetos para instalação com alunos de escolas ou tele-centros)

Existem casos em que não deve ser usado?

Sim, em alguns caso é necessário ter um processamento muito grande para determinadas aplicações como JOGOS e outros softwares. Neste caso os multiterminais não são indicados.

O som fica concorrido, sendo executado por todos os terminais (é possível com placas USB dividir o som);
O acesso concorrido aos dispositivos removíveis;
Limite para aplicações extremamente pesadas ( Ex: ECLIPSE);
Não permite o reboot da máquina de forma independente;
Portas USB ocupadas (necessidade HUB USB para aumentar o número de portas);
No caso da CPU precisar manutenção, todos os terminais ficarão indisponíveis;

* Colaboração: Paulo Ricardo Zanoni, Junior Polegato.


Como configurar um Servidor Web com Linux + Apache + PHP5 e MySQL


Introdução

Servidores Web foram desenvolvidos para rodar em computadores de hospedagem de websites que possuam sistemas operacionais Linux, Unix ou mesmo no Windows. Praticamente todos os websites que acessamos buscam no Apache o conteúdo que é mostrado na tela. O Apache é hoje um dos mais seguros programas desenvolvidos para ambientes TCP/IP e que mantém em operação muitas das homepages e sites do mundo. Mostraremos instalar, configurar e colocar em funcionamento um servidor web em Linux.
Neste artigo o leitor poderá visualizar a importancia da utilização do Servidor Apache, informações sobre o por que utilizar o PHP e MySQL. Fique a vontade.

Servidor Apache

Visão Geral 

O servidor Apache é utilizado no mundo todo, como servidor de páginas para internet, ou servidor Web para acesso restrito e estações de rede interna. Possui alto nível de personalização, confiabilidade, portabilidade, fornece o código-fonte completo. Também pode ser executado em diferentes plataformas, e não possui licenças restritivas. Resultando em excelente desempenho e baixo custo. O acesso é feito pela porta 80.

PHP

1. Identidade

O PHP é, assim como Java e .NET, uma linguagem de programação e uma plataforma global.

Como linguagem de programação, PHP tem uma sintaxe bastante parecida com C, Shell, Perl e Java.

Com PHP é possível desenvolver:

Aplicações Web dinâmicas (websites, intranets, extranets, etc);
Aplicações desktop (PHP-GTK e PHP4Delphi);
Rich Clients (PHP-XUL);
Web Services (SOAP, XML-RPC, REST);
Scripts de linha de comando;
Tarefas de segundo plano.


Cerca de 1000 engenheiros desenvolvem o PHP.

O PHP é Software Livre, distribuído sob uma licença na qual os usuários não são obrigados a publicar seu código.

A portabilidade é uma das maiores vantagens do PHP, possibilitando sua instalação em vários Sistemas Operacionais como: Windows, Linux, Unix, IBM iSeries, SGI IRIX, RISC OS, Netware Novell, Mac OS X e AmigaOS

2. Estatísticas de uso

Segundo a NetCraft, o PHP é utilizado em um a cada três sites na Internet. Ou seja, mais de 20 milhões de domínios. 35% da Internet roda PHP

Uma das maiores plataformas do mundo é o Yahoo!, que utiliza PHP e chega a receber 150 mil visitantes simultaneamente.

3. PHP para sua empresa

Simplicidade

O PHP é uma linguagem com um modelo de desenvolvimento muito simples. O objetivo inicial do PHP era tornar possível um desenvolvimento rápido sem um treinamento preliminar. Esse objetivo foi alcançado, fazendo com que a maioria das empresas de hospedagem ofereçam PHP nos seus servidores.

Adaptabilidade

O PHP usa duas sintaxes. Uma é procedural e a outra é orientada a objetos. A procedural é utilizada por webmasters que trabalham na interface com o usuário.

Já a sintaxe Orientada a Objetos é, propositalmente similar ao Java e C#, com o objetivo de reduzir os custos com treinamento e encorajar a migração para o PHP.

Interoperabilidade

O PHP pode instanciar objetos COM, .NET e JAVA, além de disponibilizar mecanismos para comunicação com todos os principais bancos de dados relacionais, assim como com LDAP, XML, Web Services, Lotus Notes, SAP, entre outros.

Portabilidade

Disponível para a maioria dos sistemas operacionais, o PHP funciona da mesma maneira que a Maquina Virtual do Java (JVM). Após desenvolver a aplicação, ela irá funcionar imediatamente, sem a necessidade de recompilar, independente de qual sistema operacional está sendo utilizado.

Durabilidade

A durabilidade de uma tecnologia depende principalmente da quantidade de usuários. O PHP é utilizado por mais de 4.500.000 desenvolvedores no mundo, fazendo com que sua comunidade seja extremamente forte e atuante.

Performance

O PHP tem uma grande performance e estabilidade. A combinação Linux/Apache/PHP é muito forte.

Retorno do investimento

Os pontos citados acima resultam em um rápido retorno do investimento. Isso é possível graças à ausência de custos com licenças, pequeno custo com treinamentos, entre outros.

MySQL

O MySQL é o mais popular Banco de Dados Open Source do mundo possui consistência, boa performance, é confiavel e fácil de usar. Além disso, o MySQL se tornou o preferido quanto as novas gerações de aplicações, que utilizam o modelo LAMP (Linux, Apache, MySQL, PHP).

Agora veja um vídeo de exemplo de instalação.



Assim encerrou-se o quinto dia de apresentação. Aguarde por mais novidades dos outros dias de palestras em nosso blog.

Até a Próxima!